Poder

Hoje tive uma pequena epifania sobre o meu poder sobre as coisas. Isto a propósito de quê? De coisas que aconteceram. Sim, normalmente eu escrevo por escrever e acabo por dizer umas parvoíces, mas hoje o que vou dizer é sério (no final do post irão olhar para esta frase e depois de se rirem vão me insultar por vos enganar redondamente). De volta à razão, o que aconteceu é que estava eu, descansado da vida, numa hora que supostamente devia pertencer a Português, mas que, graças a algum deus ou força qualquer, estava entregue ao lazer, quando fui importunado por nada mais nada menos do que o eloquentíssimo pteles. Após a nossa usual troca formal de afetos e de algum tempo a matutar sobre o tempo que tinha passado desde o nosso último encontro, o pteles decidiu que, para eu parar de o chatear (por alguma razão ele ainda pensa que isso é possível…) ia escrever um post. Facto importante que vos ocultei: o meu lazer naquele momento estava concentrado no meu computador, de onde inferem que estava a ver uma parvoíce qualquer no portátil. Portátil esse que o pteles se apoderou para proceder aos seus maléficos planos de escrever um post.

Os resultados do post são visíveis no blog (pteles… quando é que aprendes…), mas não é isso que eu quero criticar hoje. Deixo o escárnio para o leitor desenvolver. Na verdade o que vos quero eu falar, para não perderem mais tempo da vossa vida, é a minha terrível descoberta horas após a escrita de tal post: o pteles deixou a conta do WordPress ligada no meu computador para escrever o post. Resultado: acesso completo ás coisas do pteles. Não foi muito divertido já que eu posso escrever um post em nome do pteles visto que sou administrador e vice-versa (por que é que acham que o pteles de vez em quando tem posts tão bons? Hum?) e além do sentimento de felicidade que me causaria ter aqui no blog uma confissão do pteles por um amor incondicional e humilhante pelo nódoa, tal não seria muito divertido dadas as circunstâncias (se o pteles deixa-se o Facebook dele ligado é que era giro… oh bolas… ele não tem Facebook… é a única coisa inteligente no pteles). A única coisa que descobri foi que o pteles tem um blog sobre Pandas que consegue ser pior que o nosso (eu sei! Incrível!) e outro sobre o Sporting (que não é um tema que me interesse particularmente e por isso abandonei).

Partindo destas aleatoriedades da vida, cheguemos a alguma conclusão. Na verdade as minhas reflexões deram vários frutos intelectuais e engraçados, mas como este blog não foi criado para coisas inteligentes (exceto o nome, claro…) não as irei partilhar a todas. Mandem-me uma mensagem para o Facebook se quiserem saber mais (Ups… também não tenho Facebook… ah!). Enfim, prosseguindo, a principal conclusão é a seguinte: cada vez mais temos um poder excecional sobre tudo. Somos cada vez mais possuidores de um controle através de coisas tão triviais como uma conta de Facebook, ou um pedaço de plástico com uma banda magnética… Por um lado acho engraçado por outro temo o futuro…

Enfim, não nos preocupemos com tais coisas… São apenas deambulações de uma alma perdida…

4 thoughts on “Poder

      • Já saí… foi giro, mas não deu para grande coisa. BTW, o teu blog de Pandas tem um fundo horrível… Não se lê nada…

      • Isso era uma ideia que eu tinha quando a minha profissão de sonho era ser activista da natureza. Acabou por não ir para a frente quando descobri que não preenchia os requisitos necessários para ser voluntário internacional da WWF. *snif* *snif*

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s